Início de ano e dúvidas sobre qual escola matricular o filho começam a pipocar em muitas cabeças por aí. Em muitos casos, os pais se preocupam com o que a escola oferece tecnologicamente aos filhos. E é sobre isso que eu gostaria de falar.

Seu filho, até o final do ensino fundamental, não tem a menor necessidade de ter aulas de informática na escola ou frequentar uma sala repleta de computadores. Muito menos utilizar um tablet com o material escolar. Não há nenhum tipo de vantagem nisso, são ilusões que no fundo só tiram o foco do que é importante: a qualidade dos professores e pedagogos.

Não se deixe levar pela sedução dos anúncios das escolas onde o uso de tecnologia aparece com mais destaque que a proposta pedagógica. Tenha em mente que, neste período, você ainda está formando um ser humano e não um profissional.

Computadores não foram feitos para crianças… e quem diz isso não sou eu, são as pessoas que os criam:

Em uma rara entrevista concedida já na na década de 90 Steve Jobs observa que computadores não foram desenvolvidos para crianças e que, portanto, elas não tem a menor necessidade de utilizá-los. “Computadores são reativos e não pró ativos”. O que a criança – e por um bom tempo o adolescente – precisa é de um ser humano para guiá-la e não de uma máquina. Um computador não é capaz de ensiná-la a pensar ou mesmo estimular sua curiosidade pelo mundo e pelas coisas que a cercam.

Steve Jobs 1995 Interview NeXT Computer from Steve Next on Vimeo.

Grandes programadores e profissionais da área da informática tiram qualquer aparelho tecnológico do convívio de seus filhos pequenos e os matriculam em escolas Waldorf, onde fazem trabalhos manuais e tem salas com quadros negros e giz em pleno Vale do Silício.
Entendem que nesta fase da vida a formação humana é o mais importante pois sabem que a tecnologia (em especial as interfaces) de hoje não será a mesma daqui a 10 anos. Portanto, conviver com gadgets, TV’s e Video-Games, além de ser nocivo à sua formação, é pura perda de tempo.

A criança precisa desenvolver suas habilidades motoras e emocionais. Precisa exercitar a escrita para fixar seus conhecimentos, usar a imaginação, encontrar soluções para problemas, praticar o esmero, o capricho nos trabalhos, se relacionar humanamente, experimentar a natureza em todas as suas formas para assim aprender a conviver saudavelmente com ela.

Usar tablets ou ter aulas em frente a um monitor não é nenhum tipo de vantagem para uma criança. E nada pode substituir a figura do professor: um professor é um guia para a vida – a troca que existe, o relacionamento que é gerado, nenhum aplicativo pode superar.

Vivemos um momento em que não temos a menor noção de para que temos que preparar os nossos filhos – digo profissionalmente. Provavelmente seu filho terá um emprego que voce nunca ouviu falar ou sequer imaginava que fosse existir. No ensino fundamental, até os 14 anos, ele não deveria perder seu tempo de formação humana utilizando a tecnologia. Esse é o momento de lhes dar uma boa base cultural, moral, ética.

Para o simples usuário a cada dia a informática fica mais fácil, não tem o menor mistério principalmente para crianças e adolescentes. Logo não é justificável a necessidade de aulas de informática para que eles aprendam a “mexer” em um computador. O foco não deve ser esse.

A maior parte dos professores de informática e computação das escolas não está atualizada com o mercado. Falar hoje com uma professora de informática de escola de HTML5, CSS3, Clouds… ou simples uso de aplicativos no dia a dia é praticamente grego.

Eles basicamente ensinam o que sabem e que aprenderam enquanto estudavam a bastante tempo. A informática hoje muda muito rápido, em 6 meses qualquer profissional precisa rever seus conceitos e estar disposto para o aprender continuo. Coisa que as escolas não conseguem acompanhar.

E veja bem eu não sou um ser mágico, pelo menos não o tempo todo, também sou (era) webdesigner e me relaciono com pessoas focadas em web há uns 15 anos. Tenho um certo conhecimento para falar sobre isso.

Então porque perder uma boa carga horária com um conhecimento inútil?

Crianças deveriam ter mais aulas de artes e não de informática.
Na verdade a carga horária destinada a esta matéria, nesse período, deveria ser distribuída nos ramos do conhecimento que realmente fazem a diferença na formação do ser humano, como português, matemática, biologia, artes e línguas estrangeiras.

Tudo o que seu filho precisa na escola, até o final do ensino fundamental, é de professores qualificados e amáveis, que possam servir como estimuladores do pensar, do querer e do sentir.

Tudo o que seu filho precisa nessa fase é ser ensinado a se tornar Humano.

Seu filho precisa ser bem orientado, cuidado e amado. Ele não precisa da ilusão comercial que alguns estabelecimentos promovem nos pais, que infelizmente por não dominarem o assunto acham que estão fazendo o melhor os matriculando nesses lugares onde se prioriza a tecnologia ao humano na sala de aula como o grande trunfo do ensino.

O simples nessa fase é o melhor, tudo tem seu tempo apropriado para acontecer.

Encerro com uma frase dita no video linkado acima por Steve Jobs que resume muito bem todo o assunto:


“Crianças precisam de guias e não de assistentes”

Pin It on Pinterest

Share This

Assine a newsletter e fique por dentro de lançamentos e promoções especiais para assinantes.

Junte-se a gente!

Você está inscrito e prometo só enviar coisas legais! :-)